"O pensar se manifesta na palavra; A Palavra se transforma em ato; o ato se desenvolve em hábito; e o hábito endurece como caráter." - Buda

"Nós somos as sondas por meio das quais a existência conhece a si mesma."
Ocorreu um erro neste gadget

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Sistema digestório: Herbívoros X Carnivoros

A não ser que você tenha o sistema digestório de um coelho ou similar, vegetarianismo é uma PÉSSIMA idéia.

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

A "esquerda" e a "direita" em política ou porquê não existem anjos na política.

Olá mais uma vez para as queridas três pessoas que lêem este blog.

Pois bem o assunto de hoje é, em parte, política.

Assunto polarizante, evocador de subjetividade e frequentemente, embates agressivos por parte de quem interage falando sobre.
O que é interessante pois como um país, o Brasil tem a memória de um peixe dourado.
Você pode se envolver em escândalos absurdos, como toda a história da era Collor, e garanto que se você possuir as conexões certas, você retornará a política.


Mas não é sobre isso que quero falar. Quero falar justamente sobre a polarização que o assunto causa. O aspecto emocional.

É algo fácil de se constatar que emoções fortes nublam o julgamento objetivo.
Porque quando alguns falam de política seus corações e faces se inflamam, seus punhos se fecham e começam a esbravejar como Botafoguenses/Flamenguistas/Vascaínos/Tricolores furiosos?

Já ouviram falar de identificação?

Identificação é um fenômeno interessante. Por um momento, você se "enrosca" com o objeto de sua identificação, então qualquer coisa que você perceba como um ataque a seu objeto adorado, é interpretado como um ataque a própria pessoa.

Este estado de identificação pode se perpetuar indefinidamente, por meio de reforços positivos contínuos que você recebe de pessoas do meio.

Em outras palavras, você pode continuar sendo "vermelho" porque isto foi associado tradicionalmente com inteligência superior, discernimento, coragem para lutar contra a máquina capitalista. Em outras palavras, parte da sua identidade acaba sendo derivada de uma associação partidária.

Mas será que todos os "vermelhos" lutam pela igualdade, fraternidade e tudo que há de bom?

Vejamos esta interessante passagem :

"Marxist revolutionary Willi Munzenberg made no bones about his mission in life. It was to destroy Western civilization. No kidding. To accomplish this, he said, the Frankfurters would have to “organize the intellectuals and use them to make Western civilization stink. Only then, after they have cor rupted all its values and made life impossible, can we impose the dictatorship of the proletariat”. (OO's italics).

To summarize: Let’s create a culture of pessimism. Let’s make Western civilization stink. Let’s create a godless world and drive people to despair. Let’s corrupt society’s values and make life impossible. In short, let’s create hell on earth."

Esta passagem, retirada de um artigo sobre a corrupção da arte moderna traduzida fica assim:

" O revolucionário marxista Willi Munzenberg não disfarçava sua missão na vida. Era destruir a civilização ocidental. Sem brincadeira. Para conseguir isto, ele dizia, os Frankfurters teriam de organizar os intelectuais e utilizá-los para fazer a civilização ocidental tornar-se podre. Somente assim, após corromper todos os seus valores e fazer a vida impossível, podemos impor a ditadura do proletariado.

Willi. Mr. Nice Guy.
Sumário: Vamos fazer uma cultura de pessimismo. Vamos fazer a civilização ocidental apodrecer. Vamos criar um mundo sem deus e levar as pessoas ao desespero. Vamos corromper os valores da sociedade e fazer a vida impossivel. Em resumo, vamos fazer o inferno na terra."

Curioso, não? Não vejo muito de igualdade em discurso tão nobre.

Postei sobre um marxista, simplesmente para ilustrar que estes que frequentemente são vistos como os salvadores de nossa era, podem servir a interesses políticos obscuros tanto quanto a "direita". Não há necessidade de postar sobre a direita pois é bem claro que a direita costuma prestar servitude a máquina corporativa/capitalista.


Caminhos Vazios

Religião ou caminho que não te transforma positivamente é adorno e assunto pra rodinha de cerveja. É como um livro de romance. Como calorias vazias de um twinkie: 

"Li (fui a missa/culto/ou o que seja, pois eu realmente não vejo diferença em manifestações externas de religiões de base judaico/cristâ), chorei/ri/fiquei indiferente com o livro (ou ritual), e fui pra casa. Continuo o mesmo. A mesma 'coisa' guiada pelas marés da vida, sem controle, tentando escapar o abismo existencial que ameaça me devorar se eu parar."

Melhor ter um caminho "indefinido" na concepção de outrem, que um caminho tradicional, mas incapaz de responder suas perguntas e em definitivo, lhe levar a algum lugar.

domingo, 15 de setembro de 2013

Uma longa e gorda história? Dieta Paleolítica, Parte III


AVISO: O seu coração pode ter um aspecto ligeiramente diferente
do coração da imagem. Assim eu espero pelo menos.
Procure um médico caso tenha dúvidas.

Na ultima "edição", deixamos no ar o questionamento: e quanto a saúde do bom e velho coração?

Toda essa história gordurosa, traz a luz uma das preocupações do público:  o consumo elevado de gorduras de origem animal leva a uma maior possibilidade de doenças do coração?
 Apesar de freqüentemente afirmado, não é o caso. O que os estudos apontam é uma imensa falta de correlações que mostrem que o consumo de gorduras saturadas leva a doença coronariana e que níveis de colesterol sanguíneo ou da dieta sejam indicadores de risco. Um projeto de um grupo de cientistas, chamado de International Atherosclerosis Project analisou trinta e uma mil autópsias de quinze países diferentes e encontrou zero correlação entre ingesta de gordura animal, doença arteroesclerótica e níveis de colesterol no sangue. Um estudo recente até demonstra altos níveis de colesterol como benéficos para o cérebro!

Então, qualquer gordura serve? Devagar com o andor meus caros, pois o consumo das gorduras erradas pode, e leva a conseqüências desastrosas. Lembram-se que foi dito anteriormente que nem todas as gorduras são iguais? A classificação das gorduras dá-se pelo nível de saturação ou insaturação das cadeias de ácidos graxos constituintes... em português agora. A classificação se dá por pequenas diferenças na estrutura dos ácidos graxos que compõem a gordura. Então temos ácido graxos saturados (basicamente de origem animal), monoinsaturados e polinsaturados (basicamente de origem vegetal) e... as gorduras trans.

As infames gorduras trans são gorduras de origem vegetal que são processadas para aumentar seu grau de saturação, aumentando seu tempo de vida útil. Um processo chamado de hidrogenação. O problema é que isto altera a estrutura da molécula, de tal forma que o corpo não consegue mais fazer um reconhecimento adequado. É como se o corpo ficasse cego para a molécula, e lidasse com ela da melhor maneira que um cego consegue: trôpega e toscamente. As gorduras trans entre muitos outros efeitos desagradáveis aumentam o risco de diabetes do tipo 2 e alteram as capacidades de desintoxicação do fígado para pior.
Então é uma questão de evitar as gorduras trans! Eu já faço isso quando cozinho com meu óleo de soja, não? Errado, estimado leitor.


Err...existem escolhas melhores.

A razão pela qual as gorduras trans foram criadas em parte, é porque os óleos vegetais, como o de soja, são extremamente suscetíveis a ficarem rançosos. E este risco aumenta quando estas gorduras são expostas a calores como o de uma frigideira por exemplo. Estas gorduras, estes óleos, uma vez rançosos quando consumidos aumentam os riscos da aterosclerose, as velhas placas que entopem suas artérias.
É esperado que este texto tenha lhe munido com informação para fazer escolhas mais saudáveis a respeito da alimentação. Que a despeito do que outros veículos propõem, que emagrecer é um bom motivo para olhar para o que você come, mas que existem muitas outras razões para prestar atenção.

Então leitor, para não nos alongarmos mais que o veículo permite, tenha em mente que talvez a alimentação regule finamente muitos processos que você nunca parou pra pensar, e você literalmente é o que você come, visto que os ácidos graxos que você ingere literalmente farão parte de sua estrutura corporal, e que a quantidade de carboidratos que você ingere podem lhe predispor para doenças desagradáveis. Por motivos de espaço não tocamos em MUITOS outros tópicos relacionados, sobre como o consumo excessivo de carboidratos pode estar ajudando você a envelhecer mais depressa por meio de produtos avençados de glicação (AGEs), o efeito inflamatório de muitos legumes no seu intestino e como isso possivelmente é ligado a doenças auto-imunes, condições ligadas a candida albicans, entre outros. Levando em consideração que a chegada da agricultura trouxe consigo uma redução na estatura, dentes tortos, cáries e o surgimento de algumas doenças cujos indicadores não eram encontrados nos nossos ancestrais da era do gelo, revisitar os meios antigos de vida e ser conservador neste contexto talvez não seja uma idéia tão ruim assim.

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Uma dieta paleolítica para um corpo paleolítico! Dieta Paleolítica, Parte II


Nos idos tempos da era do gelo os humanos eram organizados em pequenas tribos de caçadores-coletores. Por alguns milhares de anos de nossa evolução, a dieta humana consistia de proteína de origem animal, também conhecida como carne para os menos bioquímicamente inclinados, sendo esta cozida ou não, alguns insetos (exótico não?), ovos, e frutos do mar. Os três últimos items da dieta eram sujeitos a disponibilidade, então basicamente era uma dieta primariamente carnívora.
Dynastes hercules, ou besouro Hércules. Um componente usual da dieta paleolítica. Ou talvez não.

Esta dieta era rica em gordura, e algumas estimativas põem o consumo em mais ou menos dez vezes o que consumimos atualmente. Esta gordura era rica em ácidos graxos saturados, monoinsaturados, Omega-3 e quantidades balenceadas de Omega-6 e quantidades abundantes de outros nutrientes solúveis em gordura. Ácidos graxos são as unidades que compõem as moléculas maiores de gordura, as macromoléculas de gordura.
E não, as gorduras não foram todas criadas iguais.
Fonte de gordura saturada. E de serotonina. E de prazer. 

Dependendo dos ácidos graxos que constituem a molécula de gordura, teremos diferentes reações fisiológicas do corpo quando esta gordura for processada. Alguns desses ácidos graxos são desejáveis... outros, nem tanto. 

Mas, basicamente esta era a dieta na era do gelo. No período Neo-Paleolítico, a idade da Pedra Lascada ou dos Flinstons, marcado pelo surgimento da agricultura, localizado temporalmente há dez mil anos atrás aproximadamente, começa a aumentar o consumo de plantas, nozes, sementes e quantidades limitadas de frutas selvagens, quando disponíveis. O consumo de gordura era considerado como um prêmio, e continua sendo um bem valiosíssimo, mesmo nas sociedades caçadoras coletoras atuais.
O consumo de plantas era escasso, pois sem os métodos atuais de preparo, a quantidade de “anti-nutrientes” tóxicos que as mesmas possuem sobrepuja seu valor nutricional. E mesmo com os métodos atuais, o que sobra é um alimento pobre em nutrientes.

Dos macronutrientes, o único que era consumido em quantidades limitadas é o grupo dos carboidratos. Tirando os vegetais verdes e frutas selvagens, que basicamente são representates dos carboidrados fibrosos, boa parte da energia para as atividades caçadorísticas vinha das proteínas e gorduras. O que é interessante nessa história é que dos três macronutrientes, carboidratos são os únicos que não são essenciais. Excetuando-se os carboidratos fibrosos, uma vez no corpo são “quebrados” em glicose, que é um combustível energético multi-uso. A glicose nada mais é que um tipo específico de açúcar. Por sinal, o açúcar que você ingere com seu café enquanto tolera esta leitura também tem o mesmo destino. Os carboidratos fibrosos passam basicamente indigestos ao longo de nosso trato digestivo e são excretados. Por vezes fazendo algum prejuízo ao longo do caminho, mas este é um papo pra outra hora.  A glicose pode também ser produzida no corpo a partir de gorduras ou de proteínas ingeridas na alimentação. Uma vez “quebrada”, a glicose vinda da alimentação eventualmente chega a corrente sanguínea, e se os níveis da mesma forem altos o suficiente, os níveis do hormônio Insulina aumentam para tentar reduzi-los para um nível normal. Isto é importante. Você precisa ter certa quantidade de glicose no seu sangue o tempo todo. Se tiver mais, ou menos, o corpo reage com hormônios específicos para cada uma das situações. A parte não tão divertida, é que níveis mais altos regulares de glicose no sangue estão associados com um risco 40% maior de morte por doença cardiovascular. E os níveis de glicose sanguínea estão diretamente ligados ao consumo de carboidratos na alimentação. Quanto mais você consome regularmente carboidratos, aquele pão branco, aquele macarrão aos quatro queijos, mais carboidratos seu corpo se “acostuma” a ter presente no sangue regularmente após a insulina tentar reduzi-los. Em outras palavras, quanto mais o seu quarto fica bagunçado ao longo do tempo, mais você tolera certo nível de bagunça mínima mesmo após arrumar o quarto. Apesar dos tecidos do corpo utilizarem prontamente a glicose, este não é o único combustível que elas podem utilizar. Há outro combustível, os corpos cetônicos, oriundos do metabolismo dos ácidos graxos.
Messi, um famoso autista. Diagnosticado com a Síndrome de Asperger com apenas 8 anos. A dieta Paleolítica era amplamente utilizada para tratar casos severos de epilepsia e autismo na virada do século por alguns médicos Europeus, com grande sucesso. Seu uso terapêutico está lentamente se tornando lugar-comum para o bem dos futuros autistas e epilépticos.
Os corpos cetônicos estão ganhando popularidade novamente como o combustível natural e próprio da maioria dos órgãos. Um estudo mostra que crianças epilépticas quando postas em dietas que induzem cetose, que não deve ser confundida com cetoacidose, (um estado patológico em que o corpo não consegue regular a produção de corpos cetônicos, levando a uma acidez generalizada dos tecidos) ,o número de convulsões que estas crianças sofrem diminui ou até mesmo para completamente.
Os corpos cetônicos são inclusive apontados como os mais eficientes para o metabolismo do coração, aumentando a eficiência dos batimentos.

            Além de sua importância energética, as gorduras saturadas vão ser um dos componentes dos axônios, que são os fios de alta tensão que levam as informações de um ou mais neurônios de seu cérebro para outros neurônios, às vezes em regiões muito distantes como a base sua medula espinhal. Localizada nas costas em uma região um tanto acima das nádegas para os menos anatomicamente inclinados, mas brasileiros o suficiente para entender.

Mas, e toda a história de que gorduras fazem mal ao coração? Se você andar comendo bacon e torresmo você certamente irá "empacotar" cedo!!! Ou não?
Assunto para ser discutido em breve, quando encerraremos nossa série sobre a dieta Paleolítica.

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Dieta Paleolítica... mais antiga do que você pensa.

Dieta.
Uma mera busca pela palavra no Google, retorna 135.000.000 resultados aproximadamente. Claramente, é algo que está a rondar a cabeça das pessoas... a preocupação com a barriga. Dieta da linhaça, Dieta dos pontos, Dieta da Proteína, Dieta dos Sete dias, dos três macacos mancos, da Lua cheia de Iggdrazil... haja informação!

E muitos destes links, destes livrinhos de jornaleiro, e livros não tão jornalerísticos assim, raramente concordam uns com os outros. Um diz que você tem de comer uma maçã a cada lua nova pra resetar seu metabolismo. Outro diz que você tem de comer mais carboidratos pra ter energia. Em outro lugar, carne vermelha demais engorda, gordura engorda, mas talvez emagreça. É o caos. E as pessoas se preocupam com a balança. Também pudera!

Segundo a Associação Médica Brasileira, 65 milhões de pessoas, 40% da população está com sobrepeso. E destes, 10 milhões são considerados obesos. Deixe esse número flutuar em sua cabeça por um instante. D.E.Z. Dez. Aquilo que você faz com as duas mãos abertas quando quer indicar que tem muito de alguma coisa. Agora só imagine que além das suas duas mãos tem uma multidão fazendo o mesmo. É isso aí. Todos esses dedinhos são pessoas obesas. É um problema sério.

Em estudos epidemiológicos, o diagnóstico da obesidade é feito a partir do Índice de Massa Corporal (IMC), obtido pela divisão entre o peso (medido em quilogramas) e o quadrado da altura (medida em metros) (WHO, 2000). O excesso de peso é diagnosticado quando o IMC alcança valor igual ou superior a 25 kg/metro quadradado, enquanto que a obesidade é diagnosticada a partir do IMC de 30 kg/metro quadrado.
Porque as pessoas engordam? Será porque não nos mexemos o suficiente?
Normalmente a obesidade é estigmatizada como o resultado inevitável de uma vida sedentária. Logo, é comum que as pessoas obesas sofram certo preconceito.
Mas será que a falta de atividade é a única culpada, ou mesmo a principal culpada destes números inflados? (Piada não intencional).

Uma maneira de começar a responder a esta pergunta, é com outra pergunta, ignorando solenemente os ensinamentos de Seu Madruga de que “Somente os burros respondem uma pergunta com outra pergunta”, por uma boa causa.
Será que o que comemos não tem pelo menos parte da culpa? E se tem, o que deveríamos estar comendo?
Para responder esta pergunta, vamos viajar no tempo... para uma era inóspita, arcaica e demasiadamente branca. As raízes de nossa história enquanto Homo sapiens. Retornemos, por um breve momento, a era do gelo.

            A Atual era do gelo (sim você leu corretamente, atual, teus olhos não te iludem fiel leitor), que atende pelo simpático nome de Glaciação do Pleistoceno, começou 2.58 milhões de anos atrás e se extende até os dias de hoje.
Há um bocado de evidências arqueológicas que a forma humana atual desenvolveu-se durante este período, também chamado de Paleolítico, do grego “pedra antiga”.
Bom, óbvio que as pedras eram antigas nesta época, mas o que mais é tão antigo quanto e que é críticamente importante?

Nosso código genético. Nosso genoma, todo o conteúdo genético de nosso organismo, nosso molde, a planta de como se construir um ser humano. Ele basicamente é o mesmo desde estes tempos remotos. E nosso genoma dita nossa fisiologia, que pode ser entendida como a maneira que as reações biológicas ocorrem, o funcionamento das partes da máquina humana. Qualquer máquina para funcionar precisa de partes adequadas e funcionais, e cada parte tem suas necessidades. Se fosse um carro algumas partes tem de ter água fervente em seu interior, enquanto outras partes precisam estar absolutamente secas. 

Disto podemos concluir, por analogia, ó paciente leitor, que há necessidades diferentes para diferentes órgãos, e que o desrespeito a estas necessidades resulta naturalmente no mau funcionamento ou na perca total de função do órgão. E nem todos os órgãos podem dar-se ao luxo de trabalhar mal sem conseqüências mortais para o indivíduo que os carrega.

Enquanto um carro precisa de óleo e outras substâncias em suas partes para funcionar, nós precisamos de nutrientes. Nutrientes maiores em tamanho útil, este tamanho digamos que seja o utilizável por nosso organismo, os chamados macronutrientes (proteínas, carboidratos e gorduras) e os micronutrientes. Entretanto existe uma variedade imensa de macro e micro nutrientes, e daí surge grande parte da confusão em termos do que comer para manter nossa máquina humana funcionando de maneira ótima. Você pode ingerir nutrientes inadequados, e a máquina humana, resistente e adaptativa continuará funcionando, mas em baixo rendimento. O que você prefere então, astuto leitor? Viver ou sobreviver? Andar ou Capengar?
Talvez, entendendo nossos ancestrais, podemos entender onde podemos melhorar em termos alimentares.
O que então, nossos ancestrais comiam, para suprir os órgãos com nutrientes adequados?

A resposta é diretamente ligada a como estes humanos se organizavam socialmente.

Fiquem ligados para a próxima parte, daqui a alguns dias.

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Ausente!

Como vocês devem ter notado, há algum tempo que o blog não é atualizado.
O Blog continua operacional, é apenas falta de tempo daquele que o escreve, consumido pelo mestrado acadêmico.
Em breve, novas postagens, sobre a tal da Dieta Rica em Gordura Saturada e outras cositas mas.
Deixo com vocês uma pequena mensagem, que espero que seja útil nestes tempos tão fascinantes e estranhos em que vivemos.

"Progresso, não perfeição. Mover-se em busca de uma direção, um ideal que a muitos sirva. Mover-se é o que conta, o ato não precisa ser perfeito. Só precisa ser "atuado". FAÇA algo. Mesmo que imperfeito, aproveite-se do impeto inicial, fique de olhos abertos para prover a força quando o impulso passar.
Cuide de sua saúde mental. Não siga um caminho só por seguir, faça contar. Permaneça apenas se ele lhe mudar. Cuide de sua saúde emocional. Não seja escravo de chavões e clichês. Arrisque. Vai dar errado. E você vai se levantar novamente. Porque você ainda respira, e existem aqueles que estão dispostos a caminhar contigo."